quarta-feira, 19 de julho de 2017

Por que Jair Bolsonaro já é o 2º nas pesquisas sem ser candidato?


Ele é sério no que fala. Não leva desaforo para analisar em casa. Tem posições firmes, porém mal compreendidas por alguns e elogiados por outros. Sempre se portou como defensor da família, mas avesso a bandidos. É apontado como um dos homens honestos na política brasileira – que, de certa forma tem lhe atraído forte perseguição por alguns meios de comunicações do País de víeis esquerdista. Seu nome: Jair Messias Bolsonaro, deputados federal pelo Estado do Rio de Janeiro, que, mesmo sem ser candidato já é o segundo colocado nas pesquisas de opinião pública na corrida à presidência da República em 2018.

Jair Messias Bolsonaro é um militar da reserva (com formação na Academia Militar das Agulhas Negras; e no Exército, integrou a brigada de paraquedistas e chegou a patente de capitão) a e político brasileiro que aos poucos muitos vão lhe conhecendo e creditando a ele, futuramente, a responsabilidade pela restauração da confiança do povo brasileiro em assuntos como segurança, educação, sociabilidade do cidadão, liberdade religiosa, a tradição familiar e a hierarquia institucional.

Pai de cinco filhos: Eduardo Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, Renan Bolsonaro, Laura Bolsonaro, Jair Bolsonaro é um paulista nascido em Campinas, porém, detentor de uma carreira de sucesso no Estado do Rio de Janeiro, onde foi o deputado federal mais votado em 2014, com 464 mil votos, depois de iniciar sua carreira política em 1988, quando foi eleito vereador no Rio de Janeiro (RJ).

Apesar da dúvida que paira sobre uma parcela da população brasileira, quanto a sua conversão a Jesus Cristo durante sua estada em Israel, sendo batizado nas águas do Rio Jordão, o mesmo que Jesus foi batizado por João Batista, o deputado Jair Bolsonaro, filiado ao Partido Social Cristão (PSC), segue firme no propósito de assegurar-se entre os postulantes ao Palácio do Planalto no pleito do próximo ano. Contudo, já sabe de antemão, que terá que encontrar forças para superar os correligionários e seus candidatos esquerdistas, que preparam uma ofensiva contra ele. Aliás, o que é normal em função da postura dele como candidato da “direita” (formada por políticos que defendem, basicamente, a hierarquia, a tradição e o clericalismo), contrário, por exemplo, ao casamento de pessoas de mesmo sexo, liberação do aborto, descriminalização da maconha e à prisão do cidadão em seus lares enquanto os bandidos estão soltos. E nunca negou ser contrário aos direitos humanos, que, na opinião dele, só defendem bandidos.

Apesar de ser favorável ao porte legal de armas, Jair Bolsonaro, em conjunto com seu filho, Eduardo Bolsonaro, apresentou o PL-4730/2016, que altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir no rol dos crimes hediondos aqueles dolosos, praticados com arma de fogo, mediante violência ou grave ameaça à pessoa.

COMPORTAMENTO
Diferentemente de outros políticos, Jair Bolsonaro mantém-se firme em suas convicções e no que fala para seus algozes, que sempre o instigam com perguntas cavilosas e provocativas, tentando tirar dele mais uma declaração que o condene perante a opinião pública. Suas respostas são sempre elogiadas pelos mais conservadores e mal interpretadas pela ala liberal-esquerdista.

Em suas falas, sejam elas do plenário da Câmara dos Deputados ou das entrevistas concedidas à Imprensa, Jair Bolsonaro tem se tornado criador de frases que coadunam com seu perfil: "Minha cultura é geral. Vou atirando no que interessa, não sigo A, B ou C." E então filosofa: "O que é o saber? É o que fica, e depois o que se esquece é o que se aprende. Vão me sacanear, mas pode colocar isso aí". E brinca: Chaves, Professor Girafales, Seu Madruga... Me amarro em assistir". E, sempre que indagado sobre modelos políticos, Bolsonaro aposta na autorreferência: "Gosto do 'BolsoMito'". E se mostra um admirador do presidente eleito dos Estados Unidos da América, Donald Trump: "Éramos muito comparados. A imprensa fazia chacota do Trump, o acusava de ser fascista".

Outras frases de Jair ficaram marcadas a sua vida pública: “Estou sofrendo preconceito heterossexual”, “Eu acredito em Deus. Sou católico. Mas é coisa rara ir à Igreja. Eu já li a Bíblia inteirinha, com atenção. Levei uns sete anos para ler. Você tem bons exemplos ali. Está escrito: A árvore que não der frutos deve ser cortada e lançada ao fogo. Eu sou favorável à pena de morte” (essa frase foi dita antes dele ser batizado no Rio Jordão numa cerimônia tipicamente evangélica); “Se fuzilassem 30.000 corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, o país estaria melhor” (faz tempo); “Estou me lixando para esse pessoal aí [do movimento gay]”; “O próximo passo será a adoção de crianças por casais homossexuais e a legalização da pedofilia” (Comentando a decisão do Supremo que reconheceu a união estável entre homossexuais); “O que eu tenho contra ela (Preta Gil)? Nada contra ela. Nunca gostei dela, é direito meu. Não vejo que ela tem credibilidade para falar em ética”.

Sobre suas preferências intelectuais, Bolsonaro não afirma textualmente quem são eles. Todavia, quem o acompanha politicamente sabe que ele sempre se referiu a pessoas pelas quais deixa transparecer sua admiração, a exemplo do filósofo Olavo de Carvalho, o ex-deputado Enéas Carneiro (in memorian) e o atual presidente americano. Sobre Enéas, Bolsonaro está à espera da aprovação (pronta para pauta) do PL-7699/2017, de sua autoria, que “inscreve o nome de Enéas Ferreira Carneiro no Livro dos Heróis da Pátria”.

RECONHECIMENTO
Na Câmara desde 1991, Bolsonaro se submeterá pela primeira vez ao tipo de escrutínio reservado a quem pleiteia o maior cargo no país, caso se formalize presidenciável. Segundo pesquisa Datafolha de junho, ele alcança 16% das intenções de voto para 2018. Seu melhor desempenho é entre quem tem de 16 a 24 anos (23%), ensino superior (21%) e renda familiar mensal de cinco a dez salários mínimos (25%).

Mas a tendência é que haja um crescimento de Bolsonaro na medida em que se aproximam as eleições presidenciais. Isto porque sua ida a vários estados, mostrando seu perfil e a sua atuação no Congresso Nacional bem como sua postura diante dos governos recentes o capacita a postular a candidatura em 2018.

Como se sabe, entre os anos de 2003 e 2005, à época filiado ao PTB, Bolsonaro se posicionou contra a orientação partidária tanto na reforma da Previdência (PEC 40/2003) quanto na reforma tributária (PEC 41/2003). A primeira foi aprovada pela Câmara dos Deputados após 22 votações em plenário, em agosto de 2003. Presente em 19 delas, Bolsonaro votou com o partido somente em três ocasiões, manifestando-se contra a proposta governista nas votações em primeiro e segundo turnos.

Nas 33 votações que envolveram a reforma tributária, ao longo de setembro de 2003, Bolsonaro foi contra o partido 31 vezes. Ele não foi o único dos 50 petebistas a bater de frente com a legenda – na votação em segundo turno da proposta, três outros deputados fizeram o mesmo.

Veio o Mensalão, quando já era filiado ao PP, uma das legendas mais envolvidas no esquema de corrupção investigado pela operação Lava Jato, Bolsonaro seguiu firme no propósito de não se “misturar” com os envolvidos do seu partido. Chegou a receber algo em torno de R$ 200 mil reais da sigla, mas devolveu em seguida ao tomar conhecimento de que o dinheiro não era declarado como devia.

A postura política de Jair Bolsonaro foi elogiada pelo então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que fez menção ao nome do deputado durante o julgamento da Ação Penal 470, o mensalão, em setembro de 2012:

“A reforma da Previdência e a reforma tributária foram os principais exemplos de votações do interesse do governo federal na Câmara dos Deputados que teriam sofrido interferência desses pagamentos do mensalão. (…) Somente o senhor Jair Bolsonaro, do PTB, votou contra a aprovação da referida lei. Todos os demais votaram no sentido orientado pelo líder do governo e do PT na Câmara dos Deputados”, disse Joaquim Barbosa em suas justificativas no pleno do STF.

Em assim sendo, caso seja realmente candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro encontrará muitas pedras em seu caminho, arremessadas pelos liberais esquerdistas, porém, contará com o apoio de uma parcela significativa dos brasileiros, que o apoia em seus ideais conservadores, zelando pela família, pelo homem do campo, empregada doméstica, trabalhador honesto e meritocracia de cada cidadão em suas conquistas.

Por: Gomes Silva
Fotos: Arquivo Câmara dos Deputados

Fontes: Google imagens
http://www.camara.gov.br
http://apublica.org
http://www.frasesfamosas.com.br
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jair_Bolsonaro
Revista Época
http://epoca.globo.com - 04/07/2016