terça-feira, 4 de agosto de 2009

Pastor e fiel são denunciados pela OAB por intolerância religiosa

Pr. Gomes Silva

Você vai ler abaixo, matéria do portal Alagoas 24 Horas, noticiando que um pastor e um membro de "sua" igreja por intolerância religiosa. Leia a matéria e depois eu faço o meu comentário a respeito. Não deixe de ler a Nota da Redação.
Eis a matéria...

A Comissão de Defesa das Minorias da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas (OAB/AL), denunciou um pastor evangélico da Igreja Internacional da Esperança e um fiel por vilipendio, intolerância religiosa e discriminação, ao procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares.

De acordo com o documento encaminhado ao Ministério Público Estadual, o fiel, identificado como José Torres Ferreira de Oliveira Filho, e o pastor teriam invadido um culto de Candomblé, que existe desde 2006 na cidade de Marechal Deodoro, e quebraram as imagens dos orixás.

A denúncia foi apresentada ao promotor Ubirajara Ramos, mas deve ser encaminhada a Eduardo Tavares. De acordo com Ramos, o procurador-geral de Justiça deve mandar a denúncia para a promotoria criminal de Marechal Deodoro, para que seja instaurado o procedimento investigativo criminal.

O MP pode ainda solicitar o inquérito que já foi instaurado pela Polícia Civil de Alagoas, quando a denúncia foi feita pelos frequentadores do culto na Delegacia Distrital de Marechal Deodoro. A Ordem tenta ainda, juntamente com os denunciantes, identificar o pastor. “Nós estamos procurando o MP por conta da omissão por parte do poder público”, destacou ainda o presidente da Comissão de Defesa das Minorias, o advogado Alberto Jorge.

Os dois religiosos são acusados de depredar um templo umbandista. A confusão se iniciou – conforme os frequentadores do templo – depois que a mãe de José Torres Ferreira de Oliveira faleceu. Ela freqüentava o templo. De acordo com o advogado, José Torres afirma que a casa onde são realizados o culto pertencia a mãe e alega que agora o terreno é dele.

Os frequentadores do templo afirmam que as ameaças continuam. “Ele já tentou invadir o local outras vezes para levar alguns eletrodomésticos que ele afirma que é da mãe, mas que pertence ao templo”, salientou. Ainda de acordo com a denúncia, José Ferreira só não ateou fogo no local porque houve a intervenção de outras pessoas que o impediram de continuar a destruição.

“José Ferreira, estava acompanhado de um pastor da Igreja Internacional da Esperança, de posse de uma pá e um pé de cabra e invadiram, destruindo o templo religioso”, disse Maria José.

Alberto Jorge disse que o pastor e José Ferreira praticaram o crime contra a liberdade de culto religioso. O caso ocorreu no dia 14 de maio deste ano.

Fonte: Alagoas 24 Horas / Gospel+Via: Notícias Cristãs

NOTA DA REDAÇÃO

Esses dois cidadãos deveriam estar na cadeia. Entrar na casa dos outros - porque mesmo que estivesse alugada, quem manda é o inquilino -, e fazer arruaças não é permitido a nenhum ser humano, imagine os agressores sendo "seguidores" de Cristo. Isso é coisa de cabra safado.

Quem já se viu fazer isto.Como é que dois homens, dizendo-se seguidores de Cristo pratica tal barbaridade. Pelo visto, a sabedoria andou, andou, chegou a esses dois e foi embora.

Meus amados, cadê o domínio próprio. Será que um caso como este vocês não teriam condição de resolver de outra forma?Vocês podem até dizer: Eles são macumbeiros e não aceito eles estarem no estabelecimento que era de minha mãe. E dai? Pelo visto esses cidadãos se acharam incapaz de entrar numa boa nesse terreirro de macumba e conversar com o "pai de santo".

Ter medo de macumbeiro, espírita? quer isso? Como pastor já entrei em terreiro de mabumba, preguei para o tal "pai de santo", conversamos sobre o que eles fazem. E nunca me trouxe sprejuízio espiritual.

Repito: Essa atitude é digna de cadeia. E merecidamente!

“Ditadura gay” consegue pregar mais uma no Brasil

Pr. Gomes Silva

A matéria que você vai ler a seguir nada mais é do que uma tentativa do movimento gay do Brasil de calar àqueles que estão trabalhando para manter os princípios bíblicos. Os gays do país vêm utilizando vários meios para evitar que integrantes desse movimento adiram à verdade: JESUS CRISTO. Mesmo que muitos estejam homossexuais – no momento -, Mas tentando sair desse “mundo”, pois já entenderam que esse mundo de promiscuidade só traz tristeza, aflição, perdas, afastamento da sociedade equilibrada, depressão, sofrimento e outras coisitas mais, eles são obrigados a aceitarem as regras do movimento.

Ou seja, se uma pessoa que está gay quiser sair, não pode. Porque para sair do “mundo” que vive, esse gay precisará de ajuda. E ajudar a um homossexual é proibido no Brasil, mesmo isto não sendo lei. A última no movimento foi sensibilizar a cúpula do Conselho Federal de Psicologia a proibir psicólogos terapeutas de ajudar àqueles que querem sair da homossexualidade. Que absurdo! E esse tal Conselho (que está brincando com coisa séria), entrou na do movimento e está seguindo essa orientação.

Esse movimento, que vem comprando uma briga com os que pregam o direito à vida e direito à liberdade de expressão, já tentou prejudicar a igreja (Evangélica e Católica) usando a Câmara dos Deputados, o Senado e o Supremo Tribunal Federal, agora se utilizado da “bondade” do Conselho Federal de Psicologia para condenar psicólogos que tentem ajudar homossexuais a voltar à heterossexualidade.

Até onde a população brasileira vai permitir essa “ditadura gay”?

Veja agora o que esse conselho decidiu em nome da promiscuidade sexual, contrariando o direito de escolha daqueles que querem sair desse “mundo”:

Leia com atenção.

Homossexualismo: Psicóloga cristã que afirmava curar gays será censurada

Por unanimidade, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) condenou nesta sexta-feira a psicóloga Rozângela Justino (foto) por tentar, por meio de terapia, converter gays e lésbicas para heterossexuais. A terapeuta, que há 20 anos trabalha em supostos tratamentos (grifo é meu) contra a homossexualidade, receberá uma censura pública por fazer consultas prometendo a “cura” e não pode continuar essa prática. O exercício da psicologia em outras situações, no entanto, está permitido.

(O grifo é meu. E acrescento mais alguma coisa. Veja o que o conselho decidiu. Pelo que entendi, Rozângela poderá exercer sua função como psicóloga em qualquer situação, menos na ajudar a um homossexual, que queira se libertar dessa vida ).

“Haverá uma fiscalização do Conselho Regional do Rio para evitar que ela descumpra a decisão. Ela não pode em hipótese alguma fazer referência a qualquer tipo de tratamento ou de mudança de comportamento no sentido de atingir as pessoas com orientação homoafetiva” (grifo meu), explicou o presidente do Conselho Federal de Psicologia, Humberto Verona.

Um psicólogo não pode prometer a cura do homossexualismo. Ele pode ouvir as aflições de um homossexual ou de um heterossexual, mas em hipótese alguma pode prometer uma cura”, ressaltou Verona. Uma resolução do conselho de 22 de março de 1999 afirma que a homossexualidade “não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”.

Em seu blog pessoal, Rozângela expõe artigos sobre uma hipotética “ditadura gay” e diz integrar o “Movimento de Apoio ao Ser Humano e à Família”, “composto por profissionais que valorizam o ser humano e a família segundo os princípios cristãos”. Em diversos textos, a psicóloga afirma apoiar pessoas que desenvolveram “transtornos afetivos, comportamentais e sexuais” e informa não obrigar nenhum paciente a se transformar em heterossexual.

“A minha condenação abrirá um precedente para que mais psicólogos sejam julgados e condenados por apoiar os que voluntariamente desejam deixar a atração pelo mesmo sexo”, alega. “Esta mordaça vem sendo colocada, ao longo dos anos, em líderes de instituições de apoio ao ser humano e à família que professam a fé cristã e que apoiam os que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade, diz em seu blog.

Pós-graduada com a tese “Uma possibilidade de resgate da heterossexualidade”, Rozângela Justino disse se sentir “amordaçada” após a condenação imposta pelo Conselho de Psicologia. Utilizando peruca, óculos escuros e máscara cirúrgica, ela confirmou que continuará promovendo tratamentos contra a homossexualidade e aconselhou que gays insatisfeitos com sua orientação sexual procurem tratamento médico.

“Estou amordaçada pelo Conselho e não posso apoiar as pessoas que voluntariamente procuram ajuda. Espero que pessoas que estão nesse estado de sofrimento procurem profissionais de suas cidades porque essa mordaça é para mim. As pessoas não estão impedidas de procurar apoio. Os ativistas gays sentem muita raiva de mim e (estou disfarçada) porque não quero ser atingida por essa ira”, comentou.

Fonte: Terra / Gospel+