quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

24 de Dezembro: O mundo comemora o Natal!

"Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta." Mateus 2.5

Nesses dias de Natal, tem-se a impressão de que milhões de pessoas crêem firmemente no cumprimento da profecia bíblica que fala da primeira vinda de Jesus. Mas é interessante observar que essas mesmas pessoas têm dificuldades em crer que hoje, em nossos dias, se cumprem profecias feitas por Deus! É verdade que muitos crêem na Palavra de Deus, mas não crêem no seu cumprimento.

A História se repete: por ocasião do nascimento de Jesus, os sumo sacerdotes e escribas criam com fidelidade ferrenha na Palavra de Deus e em seu cumprimento, e até a citaram para responder prontamente quando Herodes timidamente lhes perguntou onde Jesus deveria nascer. "Em Belém da Judéia", disseram eles. Mas, por outro lado, se negavam a crer que esta promessa poderia estar se cumprindo bem naquele instante. Um exemplo bem oposto são os sábios do Oriente, que não conheciam as Escrituras, porém viram a luz, e, com toda a certeza em seus corações, seguiram a estrela, e, chegando finalmente em Jerusalém, perguntaram: "Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no Oriente."

Os crentes daquela época criam nas Escrituras, mas não criam no seu cumprimento; os gentios ignorantes, pelo contrário, tinham a luz, creram nela, seguiram-na e encontraram Jesus! Assim aconteceu na primeira vinda de Jesus, e acontece ainda hoje: "...muitos primeiros serão últimos: e os últimos, primeiros."


Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

Antônio Ivo morre, mas deixa exemplos para a Paraíba

Jornalista Gomes Silva
Campina Grande - PB

Confesso que fui pego de surpresa por um de meus irmãos (de nome Iranildo Gomes) ao me informar da morte do ex-deputado estadual e atual prefeito de Santa Luzia, o médico Antônio Ivo de Medeiros. Não que ele fosse imune à morte, pois todos passarão por esse momento, a menos que alguém seja tirado da terra pelo Senhor assim como aconteceu com Elias e Enoc, personagens bíblicos. Mas foi a maneira como aconteceu a morte: suicídio. Ainda mais por se tratar de um homem público, excelente médico e pai exemplar. A causa que o levou ao suicídio não sabemos ao certo, coisa que será esclarecida mais adiante.

Não tive nenhum tipo de contato com Antônio Ivo nos últimos anos, principalmente depois que fui chamado pelo Senhor para o ministério pastoral. Contudo, lembro-me perfeitamente de quando o conheci atendendo no Hospital de Santa Luzia, cidade que tive o prazer de conhecer e de trabalhar por muito tempo editando o antigo Jornal Tribuna do Sabugi. Á época, Ivo exercia também o mandato de deputado estadual.

Tive a alegria de acompanhar o trabalho de Antônio Ivo como deputado estadual durante o período que atuei na assessoria de Imprensa da Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba por seis anos. E, apesar das críticas – muitas vezes por suas posições firmes por um determinado grupo político -, ele jamais nos procurou para, pelo menos fazer alguma reclamação. Pelo contrário. Sempre teve maior apreço pela nossa pessoa, mesmo sendo eu, à época, assessor também da Prefeitura de Santa Luzia, durante a administração de outro político exemplar daquela cidade: Antônio Bento de Morais, seu adversário.

Antônio Ivo era inteligente, homem culto. Com um microfone na mão, atraída a atenção de milhares. Sabia colocar cada frase no seu devido lugar, mesmo em momentos críticos. Às vezes era calmo, sereno; às vezes duro, sem abrir mãos de suas convicções. Que o diga dona Tetê, sua esposa. Pelo que pude ver durante o tempo que estive em Santa Luzia, Ivo era um homem motivado. Acreditava sempre na vitória.

Não tenho nenhuma dúvida: Santa Luzia perde mais um grande homem (o último havia sido o também prefeito, Itó Morais, que fora assassinado). A cidade e a região Vale do Sabugi estão de luto. Até mesmo àqueles que não comungavam com seus ideais políticos se curvam neste momento para reconhecer as qualidades do homem: Antônio Ivo de Medeiros.