quinta-feira, 25 de junho de 2009

Roberto Brum, o jogador “Pastor do Santos”

Roberto Brum, 30 anos, é um jogador discreto em campo. Chega firme nos adversários, cede poucos espaços, é incansável na marcação. Fora de campo, esse fluminense de São Gonçalo é o oposto, como já pôde ser atestado em sua apresentação no Santos, há cerca de um ano, quando comparou a situação do clube com a de uma águia e virou sucesso no Youtube. Desde então, o volante coleciona declarações engraçadas e cheias de bom humor.

Nesta entrevista exclusiva concedida ao Terra, no CT Rei Pelé, Roberto Brum não foi diferente. O volante santista cantou, fez piadas, imitou Romário, contou aventuras com Roger nos tempos dos juniores do Fluminense e relatou histórias engraçadas envolvendo Parreira e sua passagem pelo Coritiba.

Roberto Brum, evangélico fervoroso, chegou acompanhado de dois colegas de religião. Em uma mão, um cd de música gospel. Na outra, um óleo de igreja para ungir as pessoas no culto. Em quase uma hora de entrevista, a palavra Deus foi pronunciada mais de 20 vezes por Brum, chamado de pastor pelos companheiros de clube.

Nesta primeira parte da entrevista, Roberto Brum fala de como vem ajudando na recuperação de Pato Rouco, um morador de rua famoso nos arredores da Vila Belmiro. Pede, também, mais paz para Fábio Costa.

Confira a primeira parte da entrevista com Roberto Brum:

TRAGÉDIA EM FAMÍLIA: Música de forró leva genro a matar sogro com dois tiros em CG

Gomes Silva

O que parecia uma grande concentração familiar, para comemorar a noite de São João, transformou-se em dor, tristeza e morte. Em plena efervescência da festa junina, membros de uma mesma família entraram em “guerra” por conta de uma música. Uns queria ouvir forró, outros não. O resultado dessa discórdia infantil, motivada pela bebida, foi triste. Francisco Ruberlan da Silva (34) atirou duas vezes contra Antônio Pereira (60), seu próprio sogro. O fato aconteceu na Rua Cerâmica, no bairro de Santa Rosa.

Tudo
estava bem, mas as discussões em torno de uma música de forró, que não souberam informar com precisão, levaram genro e sogro a passarem do limite. Ruberlan sacou da arma e atirou duas vezes contra o sogro - que morreu no local -, e ainda feriu mais três pessoas, entre elas, Raimundo Alves de Oliveira (70), pai do próprio acusado.

Testemunhas no local disseram que o acusado do crime também foi ferido. Só não souberam informar, no entanto, se foi o sogro que o feriu antes de ser morto ou se foi alguém que estava participando da festa. Sabia-se, apenas, que os dos estavam armados.

Ruberlan tentou fugir, mas não teve condições físicas. Ele deu entrada no Hospital Regional e Emergência e Traumas onde foi operado. Hoje de manhã, plantonistas da ala cirúrgica informaram que o estado dele era regular. Porém, atendendo orientação da direção do hospital, não disseram quando ele terá alta. Mas afirmaram que Ruberlan está sob escolta policial.

A Polícia já iniciou as investigações. Mas a conclusão do inquérito será um dos mais fáceis, já que os depoimentos serão dos próprios membros da família e de convidados para a festa, que acabou em tragédia.

Da Redação

Os fortes nem sempre triunfam na guerra

* Gomes Silva

O título acima faz parte do capítulo 9, versículo 11, do livro de Eclesiastes (NVI, embora não recomende essa versão). E cito-o para exemplificar o que aconteceu, ontem (25), quando os “fracos” Estados Unidos venceram a Espanha na luta para ir à final da Copa das Confederações contra Brasil ou África do Sul, que jogam hoje à tarde.

Apesar de os Estados Unidos terem vencido o Egito, até então a grande surpresa da competição, ninguém acreditava que isto também viesse acontecer diante da “poderosa” Espanha, favorita para conquistar esse titulo.

Ao tomar conhecimento de que os Estados Unidos estavam vencendo ainda por 1 a 0, cheguei a comentar com meu filho (Yohanson) e meu irmão (Iranildo): A palavra de Deus está se cumprindo nesse jogo. Eles me perguntaram o motivo. Respondi: A Bíblia diz que nem sempre o vencedor é o mais forte. E isso é verdade, sim. Lembra-se de Davi e Golias?

A Espanha entrou em campo dando como certa a classificação para decidir a final. A história do favoritismo caiu por terra quando a bola foi movimentada nas quatro linhas.

Que esse fato sirva de exemplo para cada um daqueles que se deparam diariamente com inimigos considerados mais fortes. A Bíblia diz em Tiago 4.7: “...resisti ao inimigo (Diabo) e ele fugirá de vós”. Claro que o versículo aqui referido começa assim: “Sujeitai-vos, portanto, a Deus”.

Precisamos entender, conforme orienta Tiago, os ainda fracos têm um mais forte a quem pode recorrer todos os dias: Deus, que incumbiu seu filho, Jesus Cristo, a vencer por nós e com nós. Por isso, o apóstolo Paulo escreveu aos Romanos 8.37: “Em todas as coisas, porém, somos mais que vencedores por meio daquele (Jesus) que nos amou” - Bíblia Anotada.

Minha palavra final, agora, é que você não desista da luta por mais difícil que ela possa parecer. O inimigo pode considerar-se até mais forte do que você, mas lembre-se que “maior é aquele que está em vós (a Trindade. O acréscimo é meu) do que aquele que está no mundo (o inimigo de nossas almas e de Deus, o diabo – Bíblia Anotada) – 1 João 4:4b”. O seu inimigo e o favoritismo dele vão cair por terra quando você encará-los confiando no Deus do impossível.

Deus seja louvado!

__________________________________
* O autor é pastor, radialista e jornalista (ex-editor de Esportes do Diário da Borborema e Jornal da Paraíba, ambos de Campina Grande-PB; editor-chefe do Jornal Tribuna do Sabugi, em Santa Luzia-PB, e de A Folha de Baraúna-PB).