quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O CANSAÇO INERENTE À LUTA

Antônio Carlos Costa

Recentemente participei nos EUA de uma conferência sobre plantação de igrejas. Um dos palestrantes falava sobre a importância do pastor se cuidar. Mencionando seu próprio exemplo, ele falou sobre suas horas de sono - oito por dia - e das vitaminas que tomava, entre outros exemplos mais.

Essas recomendações são sempre úteis. Não podemos submeter nossa vida a desgastes inúteis que resultam da nossa busca por um desempenho que impressione os outros, ou arruinar-nos fisicamente por causa de um ministério movido a culpa.

Há momentos de nossa vida, contudo, que essa agenda metódica em extremo e vida que não se desgasta são frutos de muita preguiça, falta de discernimento das oportunidades da vida e ausência de amor sacrificial.

A preguiça tem sempre os conselhos mais sábios para nos dar, capaz até mesmo de chamar a busca por uma zona de conforto pessoal de "agenda equilibrada". Pessoas preguiçosas sempre terão justificativas para dar para o seu medo de trabalho duro: "Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas" (Pv 22:13).

A falta de percepção do momento exato em que a providência divina nos dá sinais eloquentes de que nos chama para realizarmos algo especial para o Reino de Deus, tem feito com que muitos não se esforcem para alcançarem aquilo que sem luta, perda de horas de sono e foco não se alcança jamais. Não acredito que seja possível realizarmos algo de significativo nessa vida, capaz de redundar em salvação em algum nível para a vida de muitos, sem trabalho que nos leve em alguns momento à exaustão. Veja combatentes em tempo de guerra, atletas que se preparam para alguma competição especial e lavradores que se antecipam às ameaças do mau tempo.

Por fim, a incapacidade de relacionarmos perda pessoal a amor tem feito com que muitos vivam uma vida onde o serviço ao próximo vai até ao ponto em que tal espécie de vida não interfira no conforto pessoal - negação completa do modelo de vida que observamos em Cristo.

Em suma, nada contra uma vida metódica e bem disciplinada. Porém, não conheço uma biografia de sucesso em que a luta por um sonho não tenha exposto a vida a desgastes e riscos.

"Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós nobres, e nós desprezíveis. Até a presente hora sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos" ( I Co 4: 10-11).
_______________________________
Antônio Carlos Costa é um dos palestrantes do Encontro Para a Consciência Cristã, que realizamos durante o carnaval em Campina Grande-PB.