terça-feira, 31 de março de 2009

Abuso espiritual - Uma realidade na igreja de hoje

Entrevista com Marília Camargo César
Publicado em 30.03.2009

Quando a fé se deixa manipular, pessoas viram presas fáceis de toda sorte de abuso. A confiança autêntica e sincera em Deus é gradualmente substituída pela submissão acrítica aos desmandos de lideranças despreparadas. É esta relação doentia que a jornalista Marília Camargo César (foto) desvenda em seu primeiro livro.

Ao lidar com feridas não cicatrizadas, em seu debut literário, a autora revela a urgência de um novo tipo de liderança, não autocrática, e de um novo membro, mais confiante em Deus e menos dependente do pastor local, a fim de que o espaço da igreja seja saudável, criativo e curador.

Nossa entrevistada é jornalista, com passagens pela TV Globo, principais jornais de economia do Brasil e Il Sole-24 Ore, maior jornal de economia e negócios da Itália. Colabora atualmente com o Valor Econômico.

Qual o tema central de “Feridos em nome de Deus”?

Marília - O livro narra histórias de cristãos que estão muito machucados emocionalmente e tiveram a sua fé abalada pelo convívio com líderes abusivos, que passaram dos limites em seu relacionamento com seus liderados. São histórias, acredito, com as quais muitos poderão identificar-se, porque o problema do abuso espiritual parece espalhar-se pela comunidade dita evangélica no Brasil.

Para quem ele foi escrito?

Marília - Eu escrevi o livro, em primeiro lugar, para mim mesma. Porque eu precisava de respostas. Eu não conseguia entender por que amigos que, antes eram tão próximos de seus pastores, de uma hora para outra passaram a detestá-los e a falar mal deles. Eu precisava entender o que tinha dado errado naquele convívio. Mas entendo que o livro também foi escrito para esses irmãos feridos, como uma espécie de registro de suas experiências, e para líderes religiosos, que podem se ver retratados nas histórias.

Por que escrever um livro que trata de um assunto tão delicado para a igreja evangélica atual? É uma espécie de autobiografia?


Marília - Não, não é uma autobiografia, embora eu conte alguns detalhes de minha experiência de fé. Creio que decidi escrever por ver o estado em que ficaram esses irmãos. O abuso pastoral levou muitos deles à lona, eles perderam o chão. Passaram a questionar a fé, a estrutura da igreja – o que não deixa de ser uma boa coisa – a veracidade da Bíblia e a autoridade pastoral de forma generalizada. A maioria só conseguiu recobrar o fôlego depois de receber a ajuda de terapeutas.

Como se deu o processo de pesquisa para o livro, você entrevistou outras ovelhas feridas?

Marília - Fiz muitas entrevistas pessoais com os feridos e também com pastores isentos, que analisam o fenômeno do abuso espiritual à luz de suas experiências pessoais e da Bíblia. Entrevistei também psicólogos, filósofos e sociólogos para dar maior profundidade à análise do problema.

Quais foram os seus sentimentos ao colocar no papel sua própria experiência e de tantas outras pessoas?

Marília
- Houve dias em que fiquei muito triste ao relembrar como era o convívio fraterno em nossa antiga igreja e o pouco que tinha restado dele. Houve entrevistas em que eu chorei junto com os feridos e fiquei morrendo de raiva dos fatos que estavam vindo à tona. Eu não acreditava no absurdo daquelas histórias. Eu me senti incrivelmente indignada e não entendia como aquelas pessoas, todas adultas e instruídas, tinham concordado em sofrer tais humilhações, em nome de Deus, e ainda assim permanecer caladas.

A igreja brasileira tem crescido muito nos últimos anos. Você vê alguma correlação entre esse fato e o aumento nos casos de feridos? Qual o principal fator que leva as pessoas a se ferirem?

Marília - Sim. O crescimento numérico dos ditos evangélicos e de pastores sem uma boa formação bíblica, ética e cultural colabora muito com isso. Creio que o tipo de teologia que está se pregando atualmente, que se concentra nas páginas do Antigo Testamento e delas tira lições distorcidas ou meias-verdades, é um fator importante para a disseminação do abuso.

A seu ver, existe solução para o problema? O que a igreja evangélica brasileira deveria fazer para que os fiéis não mais fossem feridos?

Marília - Não tenho todas as respostas, penso que dificilmente alguém as terá. Eu apenas aprendi, depois de muito ouvir as pessoas, feridas ou não, que buscar maturidade espiritual e assumir responsabilidades pelas próprias decisões de fé ajuda muito a evitar o abuso. Parar de procurar a ajuda de gurus evangélicos também. Como diz o Eugene Peterson, “as pessoas adoram ver o pastor brincar de Deus”.

Entrevista gentilmente cedida pela Editora Mundo Cristão. Para reprodução autorizada os interessados deverão entrar em contato direto com a editora. Foto: Ana Paula Paiva (Valor Econômico)

Fonte:
Instituto Jetro

NOTA DA REDAÇÃO
O que acabamos de ler ai em cima é a pura realidade que perdura, hoje, em algumas igrejas e na vida de alguns pastores. Não é falta de ética de minha parte, muitos menos da companheira jornalista. É fato verídico o que estamos contemplando a quase toda hora.

É inadmissível que alguém, se dizendo chamado por Deus, esteja servindo de "marchante" dentro da própria casa do Senhor. "Matando" a espiritualidade de ovelhas, que, muitas delas, não têm força nem para dizer: Ajude-me!
Mas como acontece essa morte? Ela acontece de várias maneiras:
1. Tirando a pessoa de suas atividades na obra;
2. Excluindo-a da boa convivência;
3. Maltratando-a baseados em conversas dos "chapéus de dois bicos" (leva-e-traz), sem procurar a verdade;
4. Criticando quando essa ovelha faz alguma coisa errada. E mesmo que esteja errada, o pastor é para consertar com amor e não escanteá-la como se aquela vida não tivesse sentimentos nem fosse nada no contexto.

Um aviso aos "navegantes": Se você foi chamado para ser professor, seja professor. Não queira ser pastor. Essa roupa não cabe no nobre irmão.

OBS: Não sou perfeito. Apenas procuro cumprir com meu dever como pastor e servo do Deus Altíssimo, mesmo já tendo cometido muitos erros na minha vida ministerial, assim como já aconteceu com muitos exemplos de líder.

Pastor e jornalista Gomes Silva - Campina Grande/PB