sexta-feira, 19 de junho de 2009

Land Seixas lamenta decisão do STJ

O presidente do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba, Land Seixas, considerou um golpe a decisão do STF em pôr fim à obrigatoriedade do diploma para a profissão de jornalista. Para Land, a medida representa um retrocesso na democracia e na comunicação do país. “O desregulamento profissional representa um grande prejuízo para a sociedade”, declarou. Ele defendeu que para exercer a profissão de jornalista é preciso ter formação ética além de embasamento teórico e prático. “A partir de agora o produto que a mídia brasileira vai colocar para o cidadão está comprometido”, desabafou o presidente do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba.

De acordo com Land, os Sindicatos dos Jornalistas e a Federação Nacional dos Jornalistas vão reagir contra a decisão do STF. “Temos que restabelecer a democracia na área de comunicação”, disse. No próximo sábado, no auditório da OAB-PB, às 10 horas, o Sindicato dos Jornalistas da Paraíba vai reunir os profissionais de comunicação, estudantes de jornalismo, professores e outros segmentos da sociedade para discutir os encaminhamentos de luta para analisar e tentar barrar a decisão do STF.

Fonte: Jornal da Paraíba

Nota da Redação

Concordo com Land Seixas.
E deixo uma pergunta o ar:
Por que esses ministros por apadrinhamento querem desmoralizar os jornalistas? Por que será?

Gomes Silva

Hélio Costa defende exigência de diploma de jornalista

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, defendeu nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, que o Congresso Nacional elabore uma lei que contemple a exigência da formação acadêmica para o exercício da atividade jornalística. O fim da obrigatoriedade do diploma para a profissão de jornalista foi aprovado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira, 17 de junho.

“Fiquei muito triste porque sou um defensor do diploma de jornalista. Acho que um deputado ou um senador poderia enviar um projeto de lei para ser apreciado pelo Congresso”, disse Hélio Costa.

O ministro ainda acrescentou que jornalista mexe com assuntos tão sensíveis que pode ser comparado com aquelas profissões em que é imperiosa a necessidade do diploma.

Por oito votos a um, o Plenário do Supremo Tribunal Federal derrubou a exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista. O julgamento se deu em Recurso Extraordinário interposto pelo Ministério Público Federal e pelo Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Estado de São Paulo contra decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que afirmou a necessidade do diploma, contrariando uma decisão da primeira instância numa ação civil pública.

Fonte: Rede de Noticias